Estudo comparativo de quatro sistemas de mobilização do solo em trigo e cevada numa rotação tradicional de sequeiro em vertissolos

  • José António Casteleiro Penacho Instituto Politécnico de Beja (IPBeja)

Resumo

Os vertissolos são os solos mais representativos na região de Beja, também conhecidos por “Barros de Beja” e nos últimos anos o aproveitamento agrícola, em regime de sequeiro, tem sido a rotação girassol-trigo-cevada.

Enquanto os preços dos combustíveis foram baixos, a preparação do solo tradicional era realizada com uma lavoura profunda no verão antes da cultura do girassol e mobilizações superficiais, com gradagens e escarificações, para a instalação das outras culturas. Quando os preços dos combustíveis começaram a aumentar, o peso das mobilizações nas contas das culturas começou a ser importante, os agricultores e os técnicos começaram a experimentar outras alternativas ao que tradicionalmente foi usado durante longos anos e foi essa a razão da instalação de um ensaio comparativo de vários sistemas de mobilização do solo nesta rotação tradicional.

São apresentados resultados de 11 anos, de 1996 a 2006, referentes a parâmetros de estabelecimento, crescimento e desenvolvimento da cultura, produção de biomassa, rendimento em grão e índice de colheita, componentes do rendimento e qualidade em quatro sistemas de mobilização do solo: lavoura, escarificação superficial, escarificação profunda e não mobilização do solo, o delineamento experimental do ensaio foi em blocos casualizados com quatro repetições.

Nos parâmetros relativos a estabelecimento, crescimento e desenvolvimento da cultura, em todos os anos estudados o ano, o sistema de mobilização e a interação ano x sistema de mobilização tiveram uma influência estatisticamente significativa na população emergida e na taxa de afilhamento no trigo e na cevada. Relativamente à taxa de sobrevivência o ano teve uma influência altamente significativa no trigo e significativo na cevada, no entanto o sistema de mobilização não teve efeito em qualquer cultura e a interação ano x sistema de mobilização teve influência altamente significativa apenas no trigo. A análise de variância da produção de biomassa ao encanamento, à ântese e à colheita, quer para o trigo, quer para a cevada, indicou que, para os fatores de variação analisados, ano e sistema de mobilização, o primeiro foi o que mais influenciou estas características.

No parâmetro rendimento em grão a análise de variância mostrou que o ano, o sistema de mobilização e a interação ano x sistema de mobilização apresentam diferenças significativas no trigo e na cevada. A análise de variância dos principais componentes do rendimento (número de espigas por m2, o número de grãos por espiga e peso de 1000 grãos) mostrou que o ano teve uma influência altamente significativa em todos os componentes, tanto no trigo como na cevada. O sistema de mobilização também teve uma influência significativa sobre o número de espigas m2 em ambas as culturas e o número de grãos por espiga no trigo. A interação ano x sistema de mobilização foi estatisticamente significativa para todas as componentes de produção nas duas culturas exceto o peso de 1000 grãos na cevada. 

Publicado
2017-10-04
Secção
Resumos: Simpósio em Produção e Transformação de Alimentos