Avaliação da Qualidade do Ar Interior em Central de Tratamento Mecânico e Biológico de Resíduos Urbanos

  • M. T. Borralho Departamento de Ciências e Tecnologias Aplicadas, Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Beja, Beja
  • E. Domingos Departamento de Ciências e Tecnologias Aplicadas, Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Beja, Beja
  • A. Pardal Departamento de Ciências e Tecnologias Aplicadas, Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Beja, Beja
Palavras-chave: Qualidade do Ar Interior, Tratamento Mecânico e Biológico de Resíduos Sólidos

Resumo

A Central de Tratamento Mecânico e Biológico (CTMB) de Resíduos Urbanos dos Sistemas Gesamb, Resialentejo e AMCAL em Beja, foi construída em edifício fechado e entrou em funcionamento em 2015 e foi dimensionada para processar 30 000 toneladas de resíduos/ano. Esta é composta por três unidades distintas: prétratamento da linha de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU); Pré-tratamento da linha de embalagens e tratamento da fração orgânica.
O Tratamento Mecânico e Biológico (TMB) visa produzir: I) composto (corretivo de solos); II) combustível derivado de resíduos (CDR) ou combustível sólido recuperado (CSR) em função das respetivas características; III) biogás (quando o tratamento biológico se desenvolve em condições anaeróbias); IV) resíduo bioestabilizado a enviar para aterro ou com potencial utilização comercial, em função das suas características organoléticas. A natureza das operações efetuadas nesta unidade pressupõe a libertação para a atmosfera de compostos que poderão ter um impacto negativo na qualidade do ar ambiente e na saúde dos operadores. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a qualidade do ar interior da CTMB durante os meses de novembro e dezembro de 2015. Após os pontos de amostragem definidos (4) os parâmetros analisados foram: temperatura, humidade relativa, matéria particulada (PM10), VOCs, dióxido de carbono e monóxido de carbono.
Os resultados obtidos evidenciaram valores de matéria particulada (74,9-6782 mg/m3) excessivamente elevados, bem como de COVs (1,3-13,3 mg/m3) e dióxido de carbono. O monóxido de carbono, contudo foi desprezável.

Publicado
2017-12-22
Secção
Resumos: Simpósio em Produção e Transformação de Alimentos