Abstract: Projeto Museu Mais Ativo

  • Gonçalo Lopes Câmara Municipal de Leiria, Largo da República, 2414-006 Leiria, Portugal
  • Cecília Maria Domingues Pedrosa Divisão de Ação Cultural Museus e Turismo, Câmara Municipal de Leiria, Largo da República, 2414-006 Leiria, Portugal
Palavras-chave: museu, envelhecimento ativo, seniores, municipio

Resumo

Ao olharmos à nossa volta, verificamos que a natureza se renova constantemente. Tudo nela nasce, cresce, se transforma, morre e se renova. Também, os indivíduos não escapam a este ciclo, nascem, desenvolvem-se e transformam-se. Todo este processo desenrola-se ao longo da vida, desde a sua infância, adolescência, adultez e velhice. Desta forma, o envelhecimento deverá ser compreendido como um processo natural, dinâmico, progressivo e irreversível que acompanha o Homem desde o nascimento até à morte. Todo o processo varia de indivíduo para indivíduo e encontra-se associado a um conjunto de alterações biológicas, psicológicas e sociais que se processam ao longo da vida (Jacob, 2013). Assim, o envelhecimento da sociedade é uma realidade incontornável e constitui um problema social que se reflete nos destinos quer individuais, quer coletivos. (Pimentel, 2008).

Segundo a Organização Mundial de Saúde (2002) citada por Madeira in Medeiros (2013) o envelhecimento ativo “é o processo de otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida à medida que as pessoas foram envelhecendo”. Desta forma, o envelhecimento ativo implica uma participação ao longo da vida dos indivíduos idosos nos domínios sociais, políticos, económicos, culturais e cívicos, dando ênfase no domínio da participação total, pelo que exige aos indivíduos “um esforço de adaptação para a sua reconfiguração identitária e bem-estar social” (Vieira, 2014). Neste sentido, o Município de Leiria preocupado com o bem-estar físico, social e mental dos seus munícipes criou, em 2015, o projeto “Museu mais Ativo”.

O projeto mencionado tem como objetivo principal desafiar os “jovens” com mais de 55 anos das freguesias do concelho de Leiria, a visitarem os espaços museológicos do concelho, assumindo-se como ‘embaixadores’ destes espaços culturais junto de gerações mais novas. De igual modo, pretende por um lado permitir, a todos os idosos do concelho, a visita e o conhecimento de museus e núcleos museológicos. Por outro, proporcionar o enriquecimento cultural, a participação ativa dos intervenientes e a divulgação dos espaços. As visitas promovem o convívio e a integração pessoal e social nos museus que, para além de espaços com identidade cultural, são espaços de troca, de descoberta, criação e sobretudo espaços de memória, de história e de vida.

O projeto “Museu mais Ativo” oferece 41 dias de visitas guiadas, semanalmente, às terças-feiras, de fevereiro a dezembro de 2018. As Uniões/Juntas de Freguesia e IPSS têm a gestão das inscrições e o acompanhamento, escolhendo de entre os 9 roteiros, que incluem os espaços museológicos municipais e fora da esfera municipal, os que pretendem efetuar. Como metodologia e dadas as características do público-alvo a nossa preferência recai na metodologia quantitativa cuja técnica preferencial é o questionário, tendo como base a pesquisa exploratória de uma amostra representativa dos participantes.

Assim, no final de cada visita cada participante é convidado a deixar a sua opinião através do preenchimento do questionário. Após a recolha e análise dos dados é efetuado o relatório da visita, o qual é enviado para a coordenadora do espaço museológico e para o Vereador da Cultura, Turismo (superior hierárquico).

Relativamente aos resultados e como referência o ano de 2016, 698 idosos visitaram os espaços museológicos, sendo que 80% destes são mulheres com mais de 55 anos e 60% dos participantes classificam o projeto como “Muito Bom”. Podemos concluir que o projeto se revela de extrema importância para os idosos na medida em que proporciona o seu bem-estar físico, mental e social.

Biografia Autor

Gonçalo Lopes, Câmara Municipal de Leiria, Largo da República, 2414-006 Leiria, Portugal

Gonçalo Lopes é licenciado em Economia pelo ISEG – Instituto Superior de Economia e Gestão. Trabalhou como gestor e consultor nas áreas dos seguros, turismo, agricultura e projetos de investimento comunitários. Foi professor do ensino superior nas disciplinas de gestão e turismo. Desempenhou o cargo de Diretor Regional do Instituto Português da Juventude e foi adjunto do Governo Civil de Leiria. É vereador da Câmara Municipal de Leiria e administrador não remunerado do Teatro José Lúcio da Silva, da Escola Profissional de Leiria, da empresa municipal Leirisport e da Incubadora D. Dinis.

Referências

Jacob, L. (2013). Envelhecimento da população. In Jacob, Luís; Santos, Eduardo; Pocinho, Ricardo; Fernandes, Hélder (eds.). Envelhecimento e Economia Social: Perspetivas Atuais. Viseu: Psicossoma, 43-49.
Madeira, J. (2013). Pensar o Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações. In Medeiros, Teresa (coord.), Ribeiro, Carlos, Miúdo, Berta, Fialho, Adolfo. Envelhecer e conviver. Ponta Delgada, Açores: Letras Lavadas Edições, 37.
Pimentel, Luísa Maria Gaspar (2008). Entre o dever e os afetos. Os dilemas de cuidar de pessoas idosas em contexto familiar. Atas do VI Congresso Português de Sociologia. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 3.
Vieira, R. (2014). Integração Social na Terceira Idade. Ambientes Promotores de Envelhecimento Ativo, In Azevedo, S., Correia, F. Educação e Integração Social. 3º Congresso Internacional de Educação Social. Porto: Aptses e Fronteira do Caos Editora, 107-121.
Publicado
2018-12-30
Secção
Perspectivas, Projetos e Intervenções sobre o Envelhecimento