Research article: Efeitos de sessões individuais de estimulação multissensorial em idosos dependentes institucionalizados

  • Rafaela M. Santos Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria), 2411-901 Leiria, Portugal
  • Jenny Gil Sousa CICS.NOVA.IPLEIRIA, Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais e Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria), 2411-901 Leiria, Portugal http://orcid.org/0000-0003-1626-6746
  • Luís Soares Luís Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria), 2411-901 Leiria, Portugal http://orcid.org/0000-0003-2233-5752
Palavras-chave: Idosos, Institucionalização, Estimulação cognitiva, Estimulação sensorial, Envelhecimento ativo

Resumo

Introdução: São amplamente conhecidos os benefícios que as práticas de atividades de estimulação proporcionam ao idoso, seja na promoção do seu bem-estar como na preservação das funções cognitivas remanescentes. No entanto, os estudos conhecidos no âmbito da estimulação são essencialmente resultado de sessões em grandes grupos e onde as atividades desenvolvidas se limitam, essencialmente, à estimulação da cognição. O objetivo do estudo efetuado foi conhecer os benefícios da prática de sessões individuais de estimulação multissensorial no idoso dependente institucionalizado. Materiais e Métodos: Através de uma metodologia qualitativa e com contornos de investigação-ação foram realizadas 12 sessões individuais de estimulação cognitiva e sensorial a dez idosos institucionalizados. Nestas sessões foi utilizado como principal instrumento de trabalho um Kit Sensorial construído propositadamente para este estudo. Resultados: Foram identificados como principais contributos: a alteração do comportamento dos participantes, nomeadamente na diminuição de comportamentos disruptivos e de ansiedade, com recurso a momentos de escuta ativa e musicoterapia; aumento da capacidade de comunicação e socialização; melhorias na orientação espacial e temporal e nas funções cognitivas e sensoriais, manifestadas pelas evoluções obtidas na execução das atividades, nomeadamente na capacidade de memorização, rapidez na execução e autonomia nas tarefas; relaxamento e descontração dos sujeitos participantes, com recurso a momentos de escuta ativa, musicoterapia e iluminação do espaço. O presente estudo demonstrou a importância da individualização no cuidado ao idoso, seja na forma de estimulação, de apoio ou de comunicação. É essencial pensar além dos projetos conhecidos que se restringem à estimulação cognitiva e realizar projetos de intervenção individualizados, de forma a que os resultados e contributos destes sejam divulgados e reconhecidos pelos cuidadores formais e informais.

Biografias Autor

Jenny Gil Sousa, CICS.NOVA.IPLEIRIA, Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais e Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria), 2411-901 Leiria, Portugal

Licenciada em Animação Socioeducativa com especialização em Desenvolvimento Local, Mestre em Arte e Educação e Doutora em Estudos Culturais. Iniciou a sua atividade profissional como docente em cursos profissionais e tecnológicos ligados à Animação Cultural. Foi também formadora de cursos de Educação e Formação de Adultos e concebeu e implementou vários projetos de Animação Sociocultural. É docente nos cursos de Animação Cultural e Educação Social da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria. É a coordenadora do Núcleo de Leiria da Rede Iberoamericana de Animação Sociocultural (RIA), membro do Núcleo de Investigação e Desenvolvimento em Educação – NIDE e do Grupo de Investigação em Estudos Científicos do Luto (GIECL).

Luís Soares Luís, Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico de Leiria (IPLeiria), 2411-901 Leiria, Portugal

Luís Francisco Soares Luís é Doutor em Ciências e Tecnologias da Saúde e Professor da Escola Superior de Saúde de Leiria do Instituto Politécnico de Leiria (ESSLei), onde preside ao Conselho Pedagógico e Coordena o Ciclo de estudos do curso de Mestrado em Intervenção para um Envelhecimento Ativo (MIEA). É membro do Centro de Inovação em Tecnologias e Cuidados de Saúde (CiTechCare) e do Observatório da ESSLei para a Comunidade. É autor de diversas publicações e comunicações nacionais e internacionais.

Referências

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo (3ª edição). Lisboa: Edições 70.
Castro, A. (2011). Programa de estimulação cognitiva em idosos institucionalizados. Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde. Aveiro: Universidade de Aveiro.
Cozinheiro, S. (2009). Uma reflexão sobre a identidade do idoso. In Vieira, R. Margarido, C. & Mendes, M (Orgs). Diferenças, Desigualdades, Exclusões e Inclusões. Porto: Edições Afrontamento.
Direção Geral de Saúde. (2006). Programa Nacional para a saúde das pessoas idosas: Envelhecimento Saudável. Lisboa: Direção Geral de Saúde - Ministério da Saúde.
Guerra, I. (2007). Fundamentos e processos de uma sociologia de ação – o planeamento em ciências sociais. Estoril: Princípia Editora.
Gusmão, N. (2003). Infância e velhice. Campinas, São Paulo: Alínea Editora.
Lessard-Hébert, M., Goyette, G. & Boutin, G. (2010). Investigação Qualitativa. Fundamentos e Práticas. Lisboa: Instituto Piaget
Martins, M. A. (2011). Snoezelen com Idosos: Estimulação sensorial para melhor qualidade de vida. Fátima: Edição de autor.
Martins, M. A. (2015). Utilidade instantânea e recordada da abordagem snoezelen em idosos institucionalizados e modelos cognitivos de eficácia em cuidadores. Tese de Doutoramento em Psicologia. Coimbra: Universidade de Coimbra.
Meireles, A. (2008). Envelhecimento ativo da pessoa idosa. Dissertação de Mestrado em Gestão de Unidades de Saúde. Braga: Universidade do Minho.
Neri, A. & Debert, G. (2004). Velhice e Sociedade (2ª edição). São Paulo: Papirus Editora.
Nogueira, J. M. (2009). A dependência: o apoio informal, a rede de serviços e equipamentos e os cuidados continuados integrados. Carta Social-Rede de Serviços e equipamento. Gabinete de Estratégia e Planeamento - Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. Lisboa: Centro de Informação e Documentação.
Rodrigues, M. (2006). Efeitos de uma Intervenção Psico-Educativa nas Competências Cognitivas e Satisfação de Vida em Idosos. Porto: Universidade Fernando Pessoa.
Santos, P. M., & Paúl, C. (2006). Desafios na saúde mental dos mais velhos: O outro lado da terapia. In H. Firmino, (Ed.), L. C. Pinto, A. Leuschner, & J. Barreto (Eds. Assoc.), Psicogeriatria (pp. 155-178). Coimbra: Psiquiatria Clínica.
Soares, E. (2006). Memória e envelhecimento: aspectos neuropsicológicos e estratégias preventivas. São Paulo, Brasil: Portal dos Psicólogos.
Vieira, R., Margarido C., Mendes M. (2009). Envelhecimento e autonomia: a importância do projeto de vida. Diferenças, desigualdades, exclusões e inclusões. Porto: Edições Afrontamento.
Zimerman, G. (2000). Velhice: aspectos biopsicossociais. Porto Alegre: Artes Médicas.
Publicado
2018-12-30
Secção
Conferência Perspectivas, Projetos e Intervenções sobre o Envelhecimento