Research article: O contributo da Universidade Sénior de Pombal na promoção do envelhecimento ativo dos seus estudantes

  • Virgínia Santos Escola Superior de Educação e Ciências Sociais & Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico de Leiria, 2411-901 Leiria, Portugal
  • Sara Mónico Lopes CIS.NOVA.Leiria e Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, Instituto Politécnico de Leiria, http://orcid.org/0000-0002-6607-9677
  • Catarina Lobão CiTechCare, Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico de Leiria http://orcid.org/0000-0002-3664-7004
Palavras-chave: Envelhecimento, Envelhecimento ativo, Aprendizagem ao longo da vida, Universidades sénior

Resumo

Introdução: O envelhecimento não deve ser encarado como um problema, mas antes como um processo natural, universal e inelutável que ocorre ao longo do ciclo de vida de cada indivíduo. Enquadradas no pilar “aprendizagem ao longo da vida” encontram-se as Universidades Senior, uma resposta socioeducativa que opera num regime informal, ausente de certificações e onde são dinamizadas atividades de cariz social, educativo, cultural e de convívio, para um público com idade a partir dos 50 anos (Jacob 2012). A investigação realizada teve como grande objetivo compreender a importância da Universidade Sénior de Pombal (USP) na vida dos seus estudantes e as mudanças que daí surgiram nos seus quotidianos. Métodos: A opção metodológica assentou numa perspetiva qualitativa ou interpretativa (Coutinho, 2011), tendo a USP sido o estudo de caso escolhido, constituindo o objeto de investigação seis estudantes desta instituição, com idade compreendidas entre os 64 e os 83 anos. Privilegiou-se, como técnicas de recolha de dados, a pesquisa documental e a entrevista semiestruturada. Resultados: Os dados obtidos permitiram concluir que a USP assume inexoravelmente um papel fundamental na promoção do envelhecimento ativo dos seus estudantes. Devolve um novo significado ao tempo e à própria vida daqueles que viram, através da entrada na reforma, alterados os ritmos dos seus dias. É um espaço que permite transformar vidas de inatividade, solidão ou de isolamento em vidas ativas, cujo desempenho de novos papéis, estudante e/ou docente, lhes trouxe sentimentos de maior utilidade, autorrealização e ainda uma maior valorização e desenvolvimento pessoal.

Biografias Autor

Sara Mónico Lopes, CIS.NOVA.Leiria e Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, Instituto Politécnico de Leiria,

Sara Mónico Lopes é Doutora em Antropologia pelo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), Mestre em História Social Contemporânea, pelo mesmo instituto e Licenciada em Antropologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Portugal. É docente na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais do Instituto Politécnico de Leiria e investigadora do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais (CIS.NOVA.Leiria). É autora de diversas publicações e comunicações nacionais e internacionais.

Catarina Lobão, CiTechCare, Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico de Leiria

Catarina Alexandra Rodrigues Faria Lobão é Doutora em Psicologia pela Universidad de Extremadura, Badajoz, Espanha, Mestre em Família e Sistemas Sociais, pelo Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra e Licenciada em Enfermagem pela Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico da Guarda. Detem ainda Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. É docente da Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Leiria onde coordena o curso Tesp em Gerontologia. É investigadora do Centro de Inovação em Tecnologias e Cuidados de Saúde (CiTechCare) e autora de diversas publicações e comunicações nacionais e internacionais.

Referências

Boutinet, J. (1990). Antropologia do Projeto. Lisboa: Instituto Piaget.
Cachioni, M. & Neri, A. (2008). Educação e Velhice Bem-Sucedida no contexto das Universidades da Terceira Idade. In L. Neri, M. S. Yassuda, (Orgs.) e M. Cachioni (Colab.), Velhice Bem-Sucedida: Aspectos Afetivos e Cognitivos (pp.29-50, 3.ª edição). Campinas (SP): Papirus.
Coutinho, C. P. (2011). Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas: Teoria e Prática. Coimbra: Almedina.
Fonseca, A. M. (2004). Uma abordagem psicológica da “passagem à reforma” –Desenvolvimento, envelhecimento, transição e adaptação. Tese de Doutoramento em Ciências Biomédicas. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar, Universidade do Porto.
ILC-Brasil (2015). Envelhecimento Ativo – um marco político em resposta ao aumento da longevidade. Rio de Janeiro: Centro Internacional de Longevidade Brasil.
Jacob, L. (2012) Universidades seniores: Criar projetos de vida. Almeirim: RUTIS (Associação Rede de Universidades da Terceira Idade).
Monteiro, H. & Neto, F. (2008). Universidade da Terceira Idade: Da solidão à motivação. Porto: Livpsic.
Roldão, F. (2009). Aprendizagem contínua de adulto-idosos e qualidade de vida: refletindo sobre possibilidades em atividades de extensão nas universidades. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano da Universidade de Passo Fundo 5(1): 61-73.
Silvestre, C. (2013). Educação e Formação de adultos e Idosos – Uma nova oportunidade (3.ª ed.). Horizontes Pedagógicos. Lisboa: Edições Piaget - Instituto Piaget.
Publicado
2018-12-30
Secção
Perspectivas, Projetos e Intervenções sobre o Envelhecimento