Research article: Cuidar em parceria da pessoa idosa dependente

  • Eunice Ferreira ESECS & ESSLei-IPLeiria, Instituto Politécnico de Leiria, 2411-901 Leiria, Portugal
  • Catarina Lobão CiTechCare e Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico de Leiria, 2411-901 Leiria, Portugal http://orcid.org/0000-0002-3664-7004
  • Luísa Pimentel CIS.NOVA.Leiria e Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, Instituto Politécnico de Leiria http://orcid.org/0000-0002-1331-9876
Palavras-chave: Parceria, Cuidadores formais, Cuidadores familares, Pessoa idosa

Resumo

Hoje vive-se muitos anos. No entanto, este ganho está associado a reais desafios ao nível da prestação de cuidados e das situações de dependência, que atingem particularmente as pessoas idosas, traduzindo-se num crescimento da necessidade de cuidados e procura de auxílio nas redes de apoio formal e informal. Integrada na rede de apoio informal, a família continua a atuar na primeira linha, prestando os cuidados de que a pessoa necessita, apesar das transformações socioeconómicas que foram ocorrendo. Todavia, muitos cuidadores familiares recorrem a apoios formais, disponíveis na comunidade, a fim de receberem auxílio e minorarem as dificuldades e impactes negativos da prestação de cuidados, favorecendo também a manutenção da pessoa idosa no seu contexto natural de vida. Perante isto, o Serviço de Apoio Domiciliário, apresenta-se como uma resposta social que serve estes propósitos e um espaço de encontro entre cuidadores formais e cuidadores familiares que facilita a experiência de cuidar em parceria - uma relação, onde a complementaridade, a negociação, o compromisso, a participação e a comunicação eficaz entre os diferentes atores envolvidos se refletem na persecução de um mesmo objetivo ou estabelecimento de um projeto em comum.

Nesta esteira, pretende-se, com este estudo, compreender como se efetua a parceira entre cuidadores familiares e cuidadores formais no que concerne à prestação de cuidados à pessoa idosa dependente em contexto de apoio domiciliário. Tendo em conta o objetivo descrito e a escassez de investigações acerca desta temática, privilegiou-se uma metodologia qualitativa, recorrendo ao estudo de caso enquanto estratégia de investigação; a entrevistas semiestruturadas, enquanto técnica de recolha de dados, realizadas a 8 cuidadores formais e 5 cuidadores familiares, que se cruzam em contexto de apoio domiciliário; e ainda à análise de conteúdo das narrativas dos sujeitos enquanto metodologia de tratamento de dados. Os resultados indicam que a parceria entre cuidadores familiares e cuidadores formais é valorizada, sendo reconhecida a sua importância nos domínios da saúde e prevenção, da aquisição de competências para cuidar, do crescimento e realização profissional. A relação de parceria estabelecida entre cuidadores familiares e ajudantes de ação direta caracteriza-se por uma relação de ajuda informal, de confiança e amizade que possibilita o diálogo aberto e presencial acerca das necessidades da pessoa idosa. Já a parceria entre os cuidadores familiares e os restantes cuidadores formais carece de uma relação de proximidade e continuidade, pelo que as famílias assumem recorrer primeiramente às ajudantes de ação direta, com quem estão todos os dias. Sendo assim, estas colaboradoras revelam-se como um veículo de transmissão de mensagens entre cuidadores familiares e restantes cuidadores formais.

Biografias Autor

Catarina Lobão, CiTechCare e Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico de Leiria, 2411-901 Leiria, Portugal

Catarina Alexandra Rodrigues Faria Lobão é Doutora em Psicologia pela Universidad de Extremadura, Badajoz, Espanha, Mestre em Família e Sistemas Sociais, pelo Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra e Licenciada em Enfermagem pela Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico da Guarda. Detem ainda Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica pela Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. É docente da Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Leiria onde coordena o curso Tesp em Gerontologia. É investigadora do Centro de Inovação em Tecnologias e Cuidados de Saúde (CiTechCare) e autora de diversas publicações e comunicações nacionais e internacionais.

Luísa Pimentel, CIS.NOVA.Leiria e Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, Instituto Politécnico de Leiria

Luísa Maria Gaspar Pimentel. É Professor Adjunto no Instituto Politécnico de Leiria. Publicou 8 artigos em revistas especializadas, possui 23 capítulos de livros e 3 livros publicados. Possui 47 itens de produção técnica. Participou em 3 eventos no estrangeiro e 124 em Portugal. Recebeu 2 prémios e/ou homenagens. Actua na área de Outras Ciências Sociais Nas suas actividades profissionais interagiu com 23 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos.

Referências

Cabral, M. (2013). Processos de envelhecimento em Portugal. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.
Dinis, R.P. (2006). A família do idoso. O parceiro esquecido? Dissertação de mestrado em Comunicação em Saúde. Lisboa: Universidade Aberta.
Fernandes, L. (2014). Envelhecimento e demências. In Fonseca, A.M. (Org), Envelhecimento, Saúde e Doença. Novos desafios para a prestação de cuidados a idosos. Lisboa: Coisas de Ler.
Gomes, I.D. (2009). Cuidado de Si: a natureza da parceria entre enfermeiro e o doente idoso no domicílio. Tese de Doutoramento em Enfermagem. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa.
Gomes, I.D. (2002). O conceito de parceria no processo de cuidados de enfermagem ao doente idoso. Dissertação de mestrado em Comunicação em Saúde. Universidade Aberta, Lisboa
Lage, I. & Araújo, O. (2014). A construção discursiva do cuidado formal a idosos dependentes: perceções, constrangimentos e práticas. In Fonseca, A.M. (Org), Envelhecimento, Saúde e Doença. Novos desafios para a prestação de cuidados a idosos. Lisboa: Coisas de Ler.
Pimentel, L. (2013). Filho és, pai serás... cuidar de pessoas idosas em contexto familiar. Lisboa: Coisas de Ler.
Pimentel, L. & Maurício, C. (2015). O olhar dos assistentes sociais sobre o descanso do cuidador na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. In M. I. Carvalho (Org.), Serviço Social com famílias. Lisboa: Pactor
São José, J. (2016). What are we talking about when we talk about care? A conceptual review of the literature. Sociologia, Problemas e Práticas 81: 57-74.
Sequeira, C. (2010). Cuidar de idosos com dependência física e mental. Lisboa: Lidel.
Sousa, L., Figueiredo, D. & Cerqueira, M. (2004). Envelhecer em família: os cuidados familiares na velhice. Porto: Âmbar.
Zimerman, G.I. (2005). Velhice: aspetos biopsicossociais. São Paulo: Artmed.
Publicado
2018-12-30
Secção
Perspectivas, Projetos e Intervenções sobre o Envelhecimento