A look into the intervention of clowns in pediatric context: a hospital professionals perspective

  • Carmen Moreira Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, Braga
  • Hiolanda Esteves Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, Braga
  • Susana Caires Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, Braga

Resumo

This article aims to describe and understand the perceptions of 19 health professionals about the work of the "Clown Doctors" (CD) of Operação Nariz Vermelho (ONV) in the pediatric services (PS) of a Portuguese hospital. A study was developed after two and half years of collaboration between the hospital’s PS and this association of professional clowns. The staff’s perceptions were collected through semi-structured interviews. Their responses were submitted to a content analysis, followed by the description of the frequency of categories that emerged in their discourse. The study’s results relate a positive perception amongst most participants about the presence of CDs in the pediatric wards, highlighting several advantages for their interventions. Amongst these advantages, the participants emphasized the CD’s contributions for the relief of the hospital’s environment, the increase of good mood and well-being amongst the health professionals, and the aid that the clowns may represent for their practice. With regard to the disadvantages, obstruction to professional practice - either by interfering with the routines, either by intrusive and disruptive intervention in some more "critical" moments - as well as the specific difficulties in the cooperation, acceptance of the role and the CD’s interventions stood out. By means of the testimonies of pediatric professionals’ regarding this two-year and half experience, this exploratory study seeks to bring subsidies for the social recognition of the work of this association of professional clowns, as well as to its internal reflection, towards the growth and maturation of their training and practice.

 

O presente artigo tem como objetivo descrever e compreender as perceções de 19 profissionais de saúde dos Serviços de Pediatria (SP) de um hospital português relativamente ao trabalho desenvolvido pelos “Doutores Palhaços” (DP) da Operação Nariz Vermelho (ONV). A sua avaliação teve lugar após dois anos e meio de colaboração entre os SP do hospital em foco e esta associação de palhaços profissionais, tendo as perceções dos profissionais de saúde sido recolhidas por intermédio de entrevistas semiestruturadas. O seu discurso foi alvo de uma análise de conteúdo, descrevendo-se em seguida a frequência das categorias de resposta emergidas. Os resultados do estudo mostram que a maioria dos participantes vê positivamente a presença dos DP no seu contexto de trabalho, destacando-se entre as vantagens elencadas a amenização do ambiente hospitalar, o aumento da boa-disposição e bem-estar dos profissionais de saúde, e o auxílio à sua prática. Relativamente às desvantagens, a obstrução ao exercício profissional - seja pela interferência nas rotinas, seja pela intervenção intrusiva e perturbadora nalguns momentos mais “críticos” - bem como as dificuldades pontuais na articulação, aceitação de papéis e da intervenção dos DP salientaram-se. Tomando como referência os testemunhos dos profissionais de pediatria a partir da sua experiência de dois anos e meio de contacto com a intervenção dos DP, o presente trabalho – de natureza exploratória - procura trazer subsídios ao reconhecimento social do trabalho desenvolvido por esta associação de palhaços profissionais, bem como à sua reflexão interna, rumo ao crescimento e maturação da sua formação e práticas.

Biografia Autor

Hiolanda Esteves, Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, Braga
Doutoranda em Ciências da Educação

Referências

Almeida, I. (2012). Representações e expectativas dos profissionais dos serviços de pediatria do Hospital de Braga relativamente à intervenção dos "Doutores Palhaços". (Dissertação de Mestrado). Braga: Universidade do Minho.
Azevedo, D., Santos, J., Justino, M. A., Miranda, F., & Simpson, C. (2007). O brincar como instrumento terapêutico na visão da equipe de saúde. Ciência, Cuidado e Saúde, 6(3), 335-341.
Bardin, L. (1977). A análise de conteúdo. Lisboa: Ed. 70.
Caires, S., Dias, M. F., Esteves, C. H., Belo, S., Correia, S., Diaz, Z., & Ballester, S. (2010). Rir é o Melhor Remédio? O Humor no Contexto Hospitalar. Comunicação apresentada no congresso Emoções na Saúde, Ourém.
Colle, R., & Moisson, V. (2007). L’impact du stress professionnel et du desequilibre effort/recompense sur l’intention de depart des infirmieres. Acedido 15/02/2011, from http://www.chaires-iae-grenoble.fr/commun/pdf/documents/2007colleMoisson035235238.pdf
Dartiguepeyrou, M. (1999). Étude comparative des niveaux de stress des jeunes infirmières en poste de « volante » et en poste fixe des Hôpitaux Publics de Dax et Bayonne. Santé Publique, 11(2), 137-154.
Duarte, M. L. & Noro, A. (2010). Humanização: uma leitura a partir da compreensão dos profissionais da enfermagem. Rev Gaúcha Enferm, 31(4), 685-692.
Esteves, C. H., Antunes, C., & Caires, S. (2014). Humanização em contexto pediátrico: o papel dos palhaços na melhoria do ambiente vivido pela criança hospitalizada. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 18(51), 1-12.
Fernandes, S., & Arriaga, P. (2010). The effects of clown intervention on worries and emotional responses in children undergoing surgery. Journal of Health Psychology, 15(3), 405-415.
Fogaça, M., Carvalho, B., & Nogueira-Martins, L. (2008). Fatores que tornam estressante o trabalho de médicos e enfermeiros em terapia intensiva pediátrica e neonatal: estudo de revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 20(3), 261-266.
Johnson, P. (2002). The use of humor and its influences on spirituality and coping in breast cancer survivors. Oncologic Nursing Forum, 29(4), 691-695.
José, H. (2006). Humor: que papel na saúde? Pensar Enfermagem, 10(2), 2-18.
Kiche, M. T., & Almeida, F. (2009). Brinquedo terapêutico: estratégia de alívio da dor e tensão durante o curativo cirúrgico em crianças. Acta Paulista de Enfermagem, 22(2), 125-130.
Malagris, L. E. N., & Fiorito, A. C. C. (2006). Avaliação do nível de stress de técnicos da área de saúde. Estudos de Psicologia, 23(4), 391-398.
Masetti, M. (1998). Soluções de palhaços: Transformações na realidade hospitalar. São Paulo: Palas Athena.
Masetti, M. (2003). Boas misturas. São Paulo: MMD Editores.
Masetti, M. (2005). Doutores da ética da alegria. Interface - Comunicação, Saúde e Educação, 9(17), 453-458.
Masetti, M., Caires, S., & Brandão, D. (2013). Health staff perceptions regarding the work of Doutores da Alegria's hospital clowns. Comunicação apresentada at the Third International Conference on Health, Wellness, and Society, Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo - Brazil.
Mota, R. A., Martins, C. G. M., & Véras, R. M. (2006). Papel dos profissionais de saúde na política de humanização hospitalar. Psicologia em Estudo, 11(2), 323-330.
Oliveira, L. D. B., Gabarra, L. M., Marcon, C., Silva, J. L. C., & Macchiaverni, J. (2009). A brinquedoteca hospitalar como factor de promoção no desenvolvimento infantil: relato de experiência. Revista Braileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 19(2), 306-312.
Oliveira, R., & Oliveira, I. (2008). Os Doutores da Alegria na unidade de internação pediátrica: experiências da equipe de enfermagem. Revista de Enfermagem, 12(2), 230-236.
Oliveira, V. B. (2011). Brinquedoteca - Uma Visão Internacional. Petrópolis: Editora Vozes. Operação Nariz Vermelho. (2014). Acedido em 10/11/2014, from http://www.narizvermelho.pt/Missão.
Ribeiro, L., Gomes, R., & Silva, M. (2010). Stresse ocupacional em profissionais de saúde: Um estudo comparativo entre médicos e enfermeiros a exercerem em contexto hospitalar. Atas do VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia. Braga: Universidade do Minho.
Schmitz, S. M., Piccoli, M., & Vieria, C. S. (2003). A criança hospitalizada, a cirurgia e o brinquedo terapêutico: uma reflexão para a enfermagem. Ciência, Cuidado e Saúde, 2(1), 67-73.
Soares, A. L. (2007). Palhaço de Hospital: proposta metodológica de formação. (Tese de Doutoramento não publicada. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.
Tiago, M. T. (2013). Ação dos Dr. Palhaços em contexto hospitalar com crianças em risco de desenvolvimento. Dissertação de Mestrado não publicada. Lisboa: Escola Superior de Educação de Lisboa.
Vagnoli, L., Caprilli, S., Robiglio, A., & Messeri, A. (2005). Clown doctors as a treatment for preoperative anxiety in Children: a randomized, prospective study. Pediatrics, 116(4), 563-567.
Publicado
2015-11-20
Secção
Políticas e gestão em saúde