Transição para o Papel Maternal: A Experiencia Vivida de Mulheres com Problemas de Adição a Substâncias Psicoativas

  • Carolina Henriques ESSLei, IPLeiria
  • Maria Antónia Botelho Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, Portugal
  • Helena da Conceição Borges Catarino ESSLei, IPLeiria, Portugal

Resumo

Existe hoje alguma investigação que se tem debruçado sobre os aspetos associados à parentalidade e à construção da identidade materna e paterna, no entanto, os aspetos específicos inerentes à consecução do papel maternal em mulheres em situação de vulnerabilidade acrescida, da gestação até os primeiros anos de vida do filho, são pouco conhecidos.

A revisão sistemática da literatura que efetuámos permitiu compreender que os contextos de vida em que estas mulheres se movem são complexos e fulcrais para construção da identidade materna destas mulheres (Henriques, Botelho, Henriques & Vaz, 2015). O objetivo geral passa compreender a experiência vivida da transição para o papel maternal de mulheres com problemas de adição a substâncias psicoativas, desde o momento da gravidez ao primeiro ano de vida do filho.

Esta pesquisa situa-se no paradigma qualitativo de desenho fenomenológico e interpretativo, inspirado na fenomenologia existencial de Heidegger. Como participantes teremos mães com idades entre os 18-35 anos, que saibam ler e escrever, que acordem participar na investigação e ao abrigo de programas terapêuticos (substituição narcótica de opiáceos) no âmbito dos Centros de Respostas Integradas da ARS do Centro. Do ponto de vista da fenomenologia ética seguir a abordagem de Emmanuel Levinas parece fazer-nos sentido, em que a responsabilidade e igualdade face ao outro e à sua experiência, alicerçam o encontro face a face.

Referências

Henriques, C., Botelho, M.A. & Vaz, D. (2014). Systematic review of experiences into motherhood transition felt by women undergoing substance abuse treatment. Mitteilungen Klosterneuburg 64.
Publicado
2015-11-20
Secção
Resumos: Conferência ENNIS & IMNRH