Promoção da saúde oral na idade pré-escolar: Estudo de intervenção comunitária numa amostra de recém-mães

  • Fátima Vitorino Universidade Fernando Pessoa (UFP), Porto
  • José Frias-Bulhosa Universidade Fernando Pessoa (UFP), Porto
  • Alice Martins Universidade Fernando Pessoa (UFP), Porto

Resumo

A cárie precoce da infância pode acarretar complicações locais, sistémicas e psicológicas, com repercussões significativas a nível individual, familiar e socioeconómico, comprometendo a qualidade de vida da criança e sua família, tanto a curto como a longo prazo.

Sendo a cárie uma doença do foro comportamental é passível de prevenção, cujo início ideal se reporta ao período perinatal, intervindo na grávida e recém-mãe, através da educação para a saúde, melhorando a literacia em saúde oral e a sensibilização do público.

Perante estas premissas, desenvolveu-se um estudo quási-experimental de intervenção comunitária, que decorreu nas 4 Unidades de Cuidados na Comunidade do Agrupamento de Centros de Saúde da Unidade Local de Saúde de Matosinhos, de março a maio de 2014, integrado no Projeto Bem Me Quer. Definiram-se dois objetivos: identificar os conhecimentos das recém-mães; e verificar se após a ação de educação para a saúde os conhecimentos das recém-mães sobre saúde oral aumentam.

Efetuaram-se 6 ações de educação para a saúde a 48 recém-mães. Aplicou-se um questionário, um pré-teste, uma sessão formativa e um pós-teste. Para testar diferenças significativas entre pré e pós-teste aplicou-se o teste de qui-quadrado, considerando-se um nível de significância de 0,05.

Conclui-se que as ações de educação para a saúde foram eficazes na aquisição de conhecimentos (p < 0,001), o que reforça a indicação de se adotar um papel ativo na promoção da saúde oral e prevenção das doenças orais e motiva a que os médicos dentistas dediquem mais tempo à intervenção comunitária.

Publicado
2015-11-20
Secção
Resumos: Conferência ENNIS & IMNRH