De estudante a Terapeuta Ocupacional: formação e ingresso no mundo laboral

  • Ana Almeida
  • Fabiana Santos
  • Lídia Ferreira
  • Jaime Moreira Ribeiro School of Health Sciences
Palavras-chave: Terapia Ocupacional, recém-licenciados, experiência, empregabilidade, satisfação profissional, perfil de competências

Resumo

A entrada no mundo laboral dos jovens recém-licenciados reveste-se de incertezas e configura-se como uma intimidante tarefa pouco documentada no contexto português. Sem experiência laboral, o percurso académico revela-se da maior importância para procurar e encontrar o primeiro emprego. O presente estudo tem como objetivo explorar e descrever a experiência do ingresso no contexto laboral dos recém-licenciados em Terapia Ocupacional (TO) pela ESSLei em 2013 e 2014, de forma a observar o contributo. A nível metodológico foi realizado um estudo de abordagem mista e de objetivo exploratório-descritivo, concretizado através de inquérito por questionário dirigido a recém-licenciados em TO da ESSLei (N). Com base nos resultados alcançados, pode verificar-se a natureza complexa do período de adaptação ao contexto laboral pelos recém-licenciados em TO pela ESSLei, ficando evidente a importância de uma formação de base completa a todos os níveis, a existência de um terapeuta orientador com experiência para realizar um acompanhamento sistemático neste período de adaptação e as principais inseguranças sentidas com as respetivas estratégias adotadas para as ultrapassar. A experiência vivida pelos estudantes e recém-licenciados do Curso de Terapia Ocupacional em Portugal é efetivamente uma área em que ainda não foram encetados estudos. Acresce que a nível internacional se observa que os estudos foram produzidos nas décadas passadas de 80, 90 e 2000, verificando-se um extenso hiato que justifica a necessidade de atualização de conhecimentos nesta temática.

Referências

Atkinson, K. & Steward, B. (1997). A longitudinal study of occupational therapy new practitioners in their first years of professional practice: preliminary findings. British Journal of Occupational Therapy, 60(8), 338-342.

Bardin, L. (2013). Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.
Hodgetts, S., Hollis, V., Triska, O., Dennis, S., Madill, H. & Taylor, E. (2007). Occupational therapy students' and graduates' satisfaction with professional education and preparedness for practice. Canadian Journal of Occupational Therapy, 74(3), 148-160.
Kramer, M. (1974). Reality shock; why nurses leave nursing. Missouri, EUA: Mosby.
Mcinstry, C. (2005) From graduate to practitioner: rethinking organizational support and professional development. In Occupation and practice in context. Whiteford, G. & Wright-St Clair, V. Ed. Sydney, Australia: Elsevier.
Miller, C. & Blackman, C. (2004). Learning During the First Three Years of Post Registration/Postgraduate Employment–The LiNEA Project Interim report for nursing. Brighton/Sussex, UK: Brighton University/Sussex University Ed.
Morley, M. (2006). Moving from student to new practitioner: The transitional experience. British Journal of Occupational Therapy, 69(5), 231-233.
Morley, M., Rugg, S. & Drew, J. (2007). Before preceptorship: new occupational therapists' expectations of practice and experience of supervision. The British Journal of Occupational Therapy, 70(6), 243-253.
Parker, C. E. (1991). The needs of newly qualified occupational therapists. British Journal of Occupational Therapy, 54(5), 164-168.
Rodger, S., Thomas, Y., Dickson, D., McBryde, C., Broadbridge, J., Hawkins, R. & Edwards, A. (2007). Putting students to work: Valuing fieldwork placements as a mechanism for recruitment and shaping the future occupational therapy workforce. Australian Occupational Therapy Journal, 54(s1), S94-S97.
Stemler, S. (2001). An overview of content analysis. Practical Assessment, Research & Evaluation, 7(17), 1-6.
Toal-Sullivan, D. (2006). New graduates' experiences of learning to practice occupational therapy. British Journal of Occupational Therapy, 69(11), 513-524.
Tryssenaar, J. & Perkins, J. (2001). From student to therapist: Exploring the first year of practice. American Journal of Occupational Therapy, 55(1), 19-27.
Tryssenaar, J. (1999). The lived experience of becoming an occupational therapist. British Journal of Occupational Therapy, 62(3), 107-112.
Publicado
2017-12-30
Secção
Educação e formação em saúde